Notícia 18:48 - 13 de agosto de 2020

O primeiro semestre foi positivo para o setor supermercadista, que registrou um crescimento de 3,47%, de janeiro a junho, de acordo com o Índice Nacional de Vendas da Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS). O resultado do semestre foi o melhor dos últimos oito anos.

Somente no mês de junho, por exemplo, o setor teve uma alta de 2,78% em relação ao mesmo período de 2019. “O resultado do semestre foi influenciado por muitos fatores. Nos dois primeiros meses do ano tivemos números bem positivos e fevereiro contou com um dia a mais, por ser ano bissexto. Em março, veio a pandemia, e com o isolamento social o consumidor priorizou as compras de abastecimento, aumentou o tíquete médio para evitar as idas aos supermercados, e isso se estendeu para os meses de abril e maio, impulsionado também pelas antecipações de feriados. A partir de junho esse movimento começou a se normalizar", explica João Sanzovo Neto, presidente da ABRAS.

De acordo com ele, os reflexos do aumento de crédito no País, que impactam diretamente no poder de compra da população, como o auxílio emergencial, a liberação do FGTS e a antecipação da primeira parcela do 13ª dos aposentados também contribuíram para esse aumento. 

A pesquisa incluiu a queda que houve no setor, no comparativo com o mês de maio, de -4,82%. "Ela já era esperada. Algumas cidades começaram a entrar na fase amarela da pandemia e o consumidor tem normalizado suas compras, deixando de estocar, e indo mais vezes aos supermercados. Além disso, no estado de São Paulo, que tem grande impacto nas vendas do País, o feriado de Corpus Christi foi antecipado para maio”, ressalta Neto.

Apesar do cenário otimista, o executivo lembra que é preciso ter cautela nos próximos meses, já que ao contrário de São Paulo, Rio de Janeiro e Manaus (AM), em muitas localidades do País o contágio pelo coronavírus ainda é alto, ao ponto de ter afetado o setor no mês de julho. "Além disso, os supermercados têm sofrido com as restrições no horário de funcionamento em muitas cidades. E o fim do auxílio emergencial, previsto para setembro, terá um impacto importante no crédito”, destaca. 

 

 

 

 

 

 


Índice de Confiança

O empresário supermercadista também está mais otimista em relação aos próximos meses, de acordo com o Índice de Confiança do Supermercadista, elaborado pela ABRAS em parceria com a GfK. No mês de junho a pesquisa registrou 61,0 pontos (numa escala de 0 a 100). Na avaliação anterior, apurada em abril, o índice estava em 55,2 pontos.


Veja também