Notícia 15:14 - 24 de março de 2020

A operação, vinculada à Secretaria da Justiça e Cidadania, realizada no período de 16 e 23 de março, teve como objetivo verificar os preços praticados nas vendas ao consumidor final, de produtos como o álcool em gel e as máscaras de proteção.

Foram visitados 126 locais na capital de São Paulo e 323 no interior, entre eles: supermercados, hipermercados, farmácias, e outras lojas no estado. Destes, 346 estabelecimentos - 94 na capital e 252 no interior - foram notificados a apresentar as notas fiscais de compra de ambos os produtos, junto aos seus fornecedores, e as notas fiscais de venda ao consumidor final, no período de janeiro a março, para a comparação e verificação de possíveis aumentos abusivos.

Como forma de evitar a cobrança dos preços abusivos, a operação do Procon-SP continuará sendo realizada, tanto na capital, quanto no interior de São Paulo, e continuará atendendo as denúncias feitas pelos consumidores.

Por isso, caso as pessoas se deparem com a cobrança de algum valor de um produto ou serviço relacionado ao coronavírus, e que seja abusivo, basta registrar a reclamação junto ao @proconsp. Os canais para as denúncias são: via internet (www.procon.sp.gov.br), aplicativo ou redes sociais, marcando @proconsp, indicando o endereço ou site do estabelecimento.

 


Veja também