Notícia 14:00 - 17 de junho de 2019

A BRF e a Marfrig anunciaram uma possível fusão na última quinta-feira (30/05). Se a negociação prevalecer, a companhia resultante ocuparia o quarto lugar no ranking global do setor de carnes, ficando atrás apenas da brasileira JBS, da estadunidense Tyson e da chinesa Smithfield.

De acordo com dados da Folha de S.Paulo, a estimativa é de que a nova companhia tenha receita de R$80 bilhões e um ebitda de R$7 bilhões. Informações oficiais também apontam uma divisão inicial do capital de 84,98% para a BRF e 15,02% aos acionistas da Marfrig.

Contatadas, as empresas confirmaram a assinatura de um Memorando de Entendimentos para que as duas possam avaliar a proposta durante o prazo de 90 dias, que pode ser estendido por mais 30 dias. Neste período, as companhias não vão se pronunciar sobre a negociação ou conceder entrevistas, exceto mediante ocorrências que apresentem obrigação normativa de divulgar.

Em comunicado, a Marfrig afirma esperar que a implementação da operação resulte na criação de um líder mundial no mercado de proteínas com ampla diversificação geográfica e de produtos no Brasil, Estados Unidos, América Latina, Oriente Médio e Ásia, além da redução de riscos.

A especulação do mercado

A divulgação da fusão em potencial já vem deixando resultados no mercado. As ações da Marfrig abriram a bolsa de valores nesta sexta-feira (31/05) com alta de 6,78%. Já as da BRF apresentaram comportamento volátil: logo na abertura, caiu em 1%, mas por volta das 10h40 subiram 0,41%.

Crédito da imagem: BeefPoint

 


Veja também