Varejo cresce 4,5% em abril na capital paulista

Varejo cresce 4,5% em abril na capital paulista

O movimento de vendas do comércio varejista paulistano subiu em média 4,5% em abril deste ano, ante o mesmo período de 2017, segundo o Balanço de Vendas da Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

As vendas a prazo cresceram 11,2%, puxadas pelos bens duráveis, mais caros, e refletindo a queda dos juros, os prazos maiores e o ressurgimento de uma demanda reprimida pela crise nos últimos anos. “De acordo com relatos de varejistas, o destaque fica por conta dos televisores, beneficiados pela Copa do Mundo, e também dos eletroportáteis”, explicou o presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), Alencar Burti.

Em contrapartida, as transações à vista caíram 2,3%. Isso porque itens de menor valor ― comprados à vista ―, sobretudo roupas e calçados, estão sendo pouco procurados em razão das temperaturas em alta, inibindo o crescimento da moda outono-inverno.

“O consumidor, principalmente da classe C, compra por necessidade. Se não estiver fazendo frio agora, ele não compra”, avaliou Burti. “Além disso, o salário médio parou de subir em março segundo o IBGE, o que também impactou”, complementa.

O presidente da ACSP ponderou que o crescimento médio de 4,5% não cobriu a retração de 7,5% registrada pelo Balanço de Vendas da ACSP em abril de 2017 frente a igual período do ano anterior. Porém, o mês de abril de 2018 contou com um dia útil a mais em relação ao ano passado, mas os efeitos foram neutralizados pelo feriado prolongado de 1º de maio.

“O varejo segue em crescimento moderado e desigual entre os ramos duráveis e não duráveis”, resumiu Burti.

Variação mensal

Frente a março deste ano, o movimento caiu em média 14,3%, sendo que as perdas foram de 10,2% no sistema a prazo e 18,3% à vista. De acordo com Burti, trata-se de um recuo sazonal e dentro da média dos últimos três anos. “Março é um mês em que a economia volta ao normal após o Carnaval. Abril tem muitos feriados. Historicamente é um mês fraco”.

Acumulado

Nos quatro primeiros meses deste ano, o varejo paulistano cresceu 4,6%, com destaque para os itens a prazo (7,8%). Já os produtos à vista subiram 1,3%. Para o presidente da ACSP, esse deve ser o panorama para o mês de maio. “O Dia das Mães terá um protagonismo dos bens duráveis, após vendas fracas nos últimos anos, em que essa data especial ficou concentrada nos presentes. Ao mesmo tempo, se o tempo não ajudar com a queda da temperatura, o setor de vestuário continuará enfrentando resistência”, disse.

O Balanço de Vendas é elaborado pelo Instituto de Economia Gastão Vidigal da ACSP, com amostra fornecida pela Boa Vista SCPC.


menu
menu