Varejo brasileiro registra crescimento de 0,7% - SuperVarejo
Varejo brasileiro registra crescimento de 0,7%

Varejo brasileiro registra crescimento de 0,7%

O varejo nacional cresceu cerca de 0,7% no mês de fevereiro, ante o mesmo período do ano passado, sem levar em consideração a inflação que refletiu sobre a cesta de setores do varejo ampliado, de acordo com dados divulgados, na última quinta-feira (15/03), pelo Índice Cielo do Varejo Ampliado (ICVA). Na comparação com 2017, o indicador registrou alta de 2,1%.

Apesar do bom resultado, o mês teve o desempenho prejudicado pelo calendário. O Carnaval neste ano aconteceu na primeira quinzena de fevereiro enquanto que no ano passado foi comemorado na última. Consequentemente, a quarta-feira de Cinzas, data tipicamente fraca em vendas, ocorreu em fevereiro de 2018. Já em 2017, a data ocorreu no mês de março.

Contudo, ajustados aos impactos de calendário, o índice deflacionado apontaria alta de 1,5%, o que representaria uma desaceleração em relação ao observado no mês de janeiro (1,9%). Já pelo ICVA nominal, com os ajustes de calendário, o indicador apresentaria alta de 3% ante o mesmo período de 2017, no mesmo patamar dos últimos 3 meses. “Em fevereiro tivemos uma desaceleração em relação a janeiro, mas ainda com alta na comparação com fevereiro do ano passado”, afirmou o diretor de Inteligência da Cielo, Gabriel Mariotto.

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) apurado em fevereiro pelo IBGE apontou crescimento de 2,84% no acumulado dos últimos 12 meses, praticamente estável em relação ao registrado em janeiro (2,86%). Os itens do bloco de Alimentação no domicílio e Transportes, principalmente passagens aéreas, contribuíram para a aceleração do índice enquanto os itens do segmento de Educação, que não compõem os setores analisados no ICVA, colaboraram para a desaceleração do índice.

Analisando o IPCA pelos setores e pesos do ICVA, a inflação no varejo ampliado em fevereiro ficou em 1,5%, sutil aceleração em relação ao registrado em janeiro, 1,3%.

Setores

E em relação aos setores, o resultado do crescimento do mês, quando comparado com o mesmo período do ano passado, foi puxado pelo desempenho do bloco de Bens não Duráveis enquanto que os blocos de Serviços e Bens duráveis e Semiduráveis apresentaram contração.

Os destaques positivos ficaram por conta dos setores de Supermercados e Hipermercados seguido por Livrarias e Papelarias. Já a retração de maior relevância no mesmo período de análise ficou novamente por conta dos Postos de Gasolina, dando sequência aos resultados verificados nos últimos meses.

Já na comparação de janeiro para fevereiro de 2018, os setores que mais puxaram o resultado de desaceleração foram Vestuário e Turismo e Transporte.


menu
menu