Varejistas investem em novo modelo de entrega

Varejistas investem em novo modelo de entrega

Oferecer uma experiência de compra que proporcione redução de custo e garanta conveniência aos clientes vem sendo o foco de diversas redes varejistas. Na Europa e nos Estados Unidos, por exemplo, os consumidores podem comprar online e retirar a encomenda em lockers, armários espalhados em pontos estratégicos pelas cidades.

Recentemente, o modelo, que se tornou bem popular lá fora, vem ganhando bastante força e notoriedade no Brasil. Entretanto, as varejistas nacionais ainda estão receosas da total implementação do sistema, visto que os registros de furtos de mercadorias atingiram novos números no país: Aumento de quase 19% em São Paulo, enquanto, em dezembro, 13% das encomendas dos Correios que tinham como origem ou destino o Estado do Rio de Janeiro precisaram de algum tipo de medida adicional de segurança, como escolta armada, segundo informações dos portais G1 e O Globo, respectivamente.

No entanto, a expectativa é que o modelo de entrega cresça no país após a Via Varejo, dona das Casas Bahia e do Ponto Frio, iniciar seu projeto piloto em São Paulo. A empresa posicionou quatro armários na capital paulista e planeja, para o próximo mês, estrear uma operação semelhante no Rio.

Em São Paulo, a varejista está trabalhando em parceria com os postos Ipiranga, responsável por abrigarem os armários. Para retirar a encomenda, basta informar um código no terminal de autoatendimento.

“Os lockers são tendências para implantar o omnichannel, integração do canal físico com o online, independente da questão da segurança. É uma ferramenta que ajuda as operações de e-commerce a atuarem com entrega de forma descentralizada e mais barata. Na plataforma online, o que tem de mais caro é a última milha até a porta do cliente. Para a gente, no Brasil, além de tudo é uma solução para os consumidores que vivem em regiões com restrição. É uma alternativa interessante de entrega para qualquer cidade que tenha zona de risco”, avaliou a diretora executiva da AGR Consultores e especialista em varejo, Ana Paula Tozzi.

O modelo é uma fragmentação do sistema “clique e colete”, onde é possível comprar online e retirar o produto em uma loja. A diferença é que os lockers ampliarão os possíveis pontos de coleta para além das lojas das redes. Além dos pilotos nos Postos de gasolina, shopping centers e estações de metrô também são potenciais locais de retirada.

Créditos/foto: O Globo


menu
menu