Tempo médio para quitação de dívidas recua

Tempo médio para quitação de dívidas recua

O Brasil registrou uma sensível melhora na situação financeira dos consumidores em 2018, apesar da lenta recuperação do mercado de trabalho. Segundo a Boa Vista, não só a inadimplência caiu 1,1% em relação a 2017 (como já havia registrado queda de 3,3% em relação a 2016), como também recuou o tempo médio para quitação de dívidas após a inserção no cadastro de inadimplentes, o SCPC – Serviço Central de Proteção ao Crédito.

No levantamento, com abrangência nacional, os consumidores demoraram em média 117 dias – o equivalente a 3,9 meses – para quitar suas dívidas em 2018 após serem incluídos na base de inadimplentes do SCPC. Em 2017, o prazo médio foi de 151 dias – ou 5 meses.

O recuo foi observado em todos os setores selecionados. No caso das dívidas de cartão de crédito, o prazo passou de 162 dias em 2017 para 132 em 2018; e no caso das dívidas bancárias, de 121 dias para 88 dias, constatou o estudo da Boa Vista.

Mesmo em segmentos nos quais o prazo já é mais baixo, como o de energia elétrica e de saneamento básico, foi possível observar recuo de 136 para 86 dias no caso do primeiro, e de 118 para 110 no caso do segundo.

Apesar do desempenho tímido nos últimos meses, o indicador segue crescendo pelo segundo ano consecutivo. Ainda assim, fatores como alto nível de desocupação e lenta melhora da atividade continuam sendo os principais entraves para uma evolução mais robusta do setor. Com poucos sinais de melhora no cenário econômico, espera-se que o varejo siga em um ritmo gradual de recuperação em 2019.

As adversidades ocorridas na economia ao longo dos últimos anos geraram grande cautela nas famílias, conforme analisa o economista da Boa Vista, Flávio Calife. Isso inibe o consumo e a tomada de crédito, o que vem contribuindo tanto para a queda do fluxo de inadimplência quanto para o prazo no cadastro de inadimplentes.

Ocorreu uma diminuição no tempo médio, 117 dias, para quitação das dívidas após a inserção do débito no cadastro de inadimplentes e voltou a um patamar mais muito próximo ao observado em 2014 quando o consumidor levava em média 119 dias para quitar os débitos.

Passado o período mais grave da crise econômica, a continuidade destas quedas está condicionada agora a uma recuperação mais consistente do mercado de trabalho, à redução dos juros e à expansão da renda.


menu
menu