Saúde e bem-estar guiam os hábitos alimentares pelo mundo

Saúde e bem-estar guiam os hábitos alimentares pelo mundo

Saudabilidade e bem-estar têm sido os dois principais critérios globais de escolha de alimentos e bebidas, segundo indica o relatório Eat, Drink & Be Healthy (Coma, beba e seja saudável, em tradução livre). O estudo indica que, mesmo com as pessoas se alimentando cada vez menos em casa, o lanche saudável está em alta.

O levantamento, que analisa oito mercados globais (Reino Unido, Espanha, México, Portugal, China Continental, França, Brasil e Estados Unidos), mostra que, a fruta fresca, por exemplo, aumentou sua presença na mesa dos consumidores, enquanto que o café da manhã segue sendo a principal refeição feita nos lares mundialmente.

Com as refeições principais ficando mais simples e leves, além da diminuição do consumo de proteína animal, o número de pratos servidos no almoço e jantar registrou queda de 6% em 2018. As escolhas baseadas na saúde e bem-estar impactaram também na ampliação do mercado de bebidas, com opções como sucos e smoothies ganhando espaço frente aos produtos de grandes marcas.

Quando se compara o número de ocasiões semanais de consumo de alimentos e bebidas em casa, há dois grupos distintos: países onde as pessoas se alimentam no domicílio três vezes por dia e aqueles em que as pessoas só o fazem duas vezes. O snacking, como é conhecido o lanche feito no intervalo das refeições principais, é o fator mais relevante para o entendimento das diferenças entre os mercados. O hábito de petiscar é quase três vezes maior no Reino Unido, onde as pessoas comem em casa três vezes por dia, do que na França, onde a frequência é de duas vezes.

Alimentação dentro e fora de casa: A diminuição do consumo em casa pode impactar o café da manhã, almoço e jantar, mas isso não vale para as ocasiões de lanches. Enquanto o número global de refeições em casa despencou 36 milhões entre 2014 e 2018 – um declínio de 2% em café da manhã, almoço e jantar – os snacks cresceram. Com pessoas fazendo menos refeições principais, especialmente no horário de almoço e jantar, houve um aumento de 0,5% no consumo dos lanches/petiscos, comportamento que é tendência no mundo todo e que ocorre, em sua maioria, à tarde e depois do jantar.

Prazer leva ao consumo dentro do lar: Em todos os países analisados, o prazer é o principal motivador do consumo em casa. No entanto, a depender do período do dia, o comportamento muda. A saúde tem mais importância nas manhãs. No Brasil, 59% das ocasiões no meio da manhã são dominados por frutas, e a categoria também ocupa mais da metade dessas ocasiões em Portugal e Espanha. Enquanto o dia passa, os consumidores tornam-se mais indulgentes, considerando que o chocolate tem representado 27% dos snacks após o jantar na França, enquanto que os portugueses preferem degustar biscoitos (31%) neste momento. No entanto, a fruta continua a ser o item mais consumido nas ocasiões de snacks em todos os países, mas sua ingestão ainda está longe das recomendações nutricionais de órgãos de saúde. Consumidores no Reino Unido, por exemplo, consomem suco de frutas ou frutas menos de cinco vezes por semana.

“A alimentação é uma das maiores manifestações culturais de um país, de uma sociedade. Vemos que no Brasil temos uma singularidade de pratos, rituais e ingredientes que nos diferenciam e nos abrem espaço para oportunidades de negócio específicas. Vemos temas globais – como a saudabilidade – sustentando sua relevância, porém cada mercado se apropria disso de forma diferente, com produtos diferentes”, afirma a Out of Home & Usage Manager da Kantar Worldpanel, Alain Enya.

A primeira refeição do dia: O que vai à mesa no café da manhã também muda de país para país. Os menus no Reino Unido, por exemplo, são dominados por cereais (60%), enquanto os do México e da China Continental incluem muito mais ingredientes,  incluindo ovos e especiarias. No México, 17% das pessoas também consomem refrigerantes durante o café da manhã após às 10h – não por acaso, a Coca-Cola aparece como a marca número um do país, de acordo com o relatório Brand Footprint mais recente. A idade é outro diferencial. Na Espanha, por exemplo, à medida que as pessoas envelhecem, o café da manhã se torna mais complexo. Os espanhóis deixam de tomar chocolate e comer carboidratos simples, como as crianças, para desfrutar de opções saudáveis, incluindo frutas.

Aumentam vegetais e diminui a presença da carne nos pratos: A simplificação na hora da alimentação também foi detectada pelo Usage Foods and Beverages, com aumento no consumo de vegetais e a diminuição da presença de carnes. No período analisado, houve queda de 6% no número de pratos que compõem o almoço e o jantar. A sobremesa foi a etapa que mais apresentou declínio. Na França, Espanha e no Reino Unido, houve queda de 66 milhões de ocasiões de sobremesa em 2018, uma diminuição de 8% versus 2014. Mais uma vez olhando para a França, Espanha e o Reino Unido, o consumo de carne está caindo nitidamente. Desde 2014, o número de ocasiões com carne no menu apresenta queda de 4% a 4,3% por semana na França, de 5% a 5,3 por semana no Reino Unido, e de 8% a 6,3 por semana na Espanha.

Consumo de bebidas: Quando analisadas as bebidas consumidas em casa, o estudo revela que houve declínio geral no hábito – menos 60 milhões de vezes por semana. Essa queda é em grande parte impulsionada por uma diminuição significativa de bebidas quentes, especialmente nos EUA (- 8% desde 2014) e o Reino Unido ( – 5% no mesmo período). Todo mercado analisado em no estudo mostrou um declínio no consumo de bebidas quentes, tendo a queda média global sido de 3,3% em relação aos últimos 12 meses. Esta tendência proporcionou oportunidades para as marcas expandirem suas ofertas de bebidas frias. O café gelado e cerveja gelada, por exemplo, são categorias que estão ganhando participação nos Estados Unidos.

O consumo de água aumentou em todos os oito mercados. Mais notavelmente, a água da torneira tornou-se a escolha das famílias dos Estados Unidos e Reino Unido – impulsionado em grande parte por um desejo de reduzir o desperdício de plástico. Isso significa que, agora mais do que nunca, marcas estão competindo com água em todas as ocasiões – nos EUA, quase a metade (48,5%) de todas as ocasiões de bebidas são agora água. Dentro disso, 34% é água da torneira, apresentando para as marcas o desafio de encontrar maneiras de persuadir os consumidores a gastar bebendo algo disponível “gratuitamente”.

Já os refrigerantes têm perdido espaço. Na Espanha, por exemplo, o consumo em casa diminuiu 22% em 2018. Significativamente, 33% desse declínio foi visto entre indivíduos de 10 a 14 anos, uma tendência que sugere que futuras gerações de adultos podem não beber refrigerantes.

Os consumidores de hoje querem saber exatamente o que entra em seus produtos. Esse desejo juntamente com a demanda por mais ingredientes saudáveis, naturais e orgânicos, levou a um boom nas bebidas caseiras. Ao contrário do que temos visto com culinária e a simplificação de cardápios, sucos caseiros estão roubando partes de produtos prontos para beber— mais notavelmente no México e na Espanha, onde mais da metade de todo suco bebidas são caseiras.


menu
menu