Inflação dos supermercados tem maior queda da história

Inflação dos supermercados tem maior queda da história

O Índice de Preços dos Supermercados (IPS), calculado pela APAS/FIPE voltou a cair em novembro, após a alta em outubro, com variação de 0,80%. A redução no mês foi causada pela queda generalizada no preço dos alimentos, principalmente os hortifrutigranjeiros (2,52%) e industrializados (0,93%).

Com esta redução, o Índice acumulado chegou a uma queda de 2,56% para o mês de novembro, o que representa a maior redução desde a criação do Plano Real, em 1994. A baixa acumulada do leite (11%) e dos cereais, tais como arroz (7,36%) e, principalmente, o feijão (37,81%), foram recordes e também contribuíram para os resultados. Das dez maiores quedas em 2017, nove são deste grupo – com reduções de até 55%.

“Nunca observamos tamanha queda de preços e tão generalizada em produtos de grande peso na mesa do paulista como neste final de ano”, explicou Rodrigo Mariano, economista da APAS, que ainda completou. “Os principais motivos passam pelo lado da oferta, com a super safra brasileira ocorrida ao longo do ano, fruto das condições climáticas extremamente favoráveis, e pela demanda, uma vez que o brasileiro continua a cortar consumo para conseguir pagar as contas e chegar com as finanças em dia no Natal.”

A projeção da APAS para o mês de dezembro e o fechamento do ano é uma inflação com queda acima de 2%, resultado extremamente relevante, pois seria a primeira queda acumulada de preços desde 2009, sendo a maior em um ano já vista na série histórica desde 1994.

“A produtividade da agroindústria brasileira, aliada ao clima, gera uma oferta muito mais alta que a população tinha condições de absorver pelo castigo sofrido ao longo do ano, fruto do desemprego alto, que resultarão nestes números e fatos significativos”, destaca Rodrigo Mariano.

Produtos semielaborados (Carnes, Leite e Cereais)

As carnes bovinas caíram 1,66% e os suínos 1,81%. Já as aves subiram 2,99% em novembro, puxadas pelo frango, que subiu 3,11%. Vale ressaltar que mesmo com as compras de final de ano, que se concentram nas aves, o peru continua com redução de 5,54% em 2017. Já o frango, apesar da alta no mês, ainda está com redução acumulada de 3,45% no ano.

Produtos industrializados

Reduziram 0,93% no mês de novembro, com variação negativa em quase todas as subcategorias. Cafés (2,14%) e doces (2,11%) tiveram praticamente a mesma queda. Porém, os maiores responsáveis pela redução do IPS dos produtos industrializados foram o achocolatado em pó (4,64%) e o sorvete (4,56%).

Produtos in natura

Após um outubro com aumento de 7,92%, os produtos In Natura apresentaram queda de 2,52% em novembro. Os legumes foram especialmente responsáveis por esse número, pois, após subirem 7,2% em outubro, reduziram 9,41% no mês passado. As frutas caíram 1,37% e os tubérculos aumentaram 0,38%. Dessa forma, no acumulado do ano, os hortifrutigranjeiros têm redução de 3,96%.

Bebidas não alcoólicas

Caíram 0,18% em novembro, porém, permanecem subindo 1,62% no ano, puxados pelos refrigerantes, com alta de 2,35%.

Bebidas alcoólicas

Surpreenderam e caíram 1,83%, com a redução de 2,25% no preço da cerveja. Ainda, sim, o aumento é de 1,99% nos últimos 12 meses, sendo a cerveja a principal responsável, com alta de 2,51%.

Produtos de limpeza

Apresentaram redução de 0,48% em novembro. No acumulado de janeiro a novembro a queda é de 1,24%.

Artigos de higiene e beleza

Aumentaram 0,29% em novembro. Porém, no acumulado do ano, a redução é de 0,90%.

Fonte: APAS/FIPE


menu
menu