Furtos na Páscoa: saiba como evitá-los

Furtos na Páscoa: saiba como evitá-los

Para a páscoa deste ano, a Associação Paulista de Supermercados (APAS), estima que as vendas de ovos de chocolate terão aumento de 4% a 5% neste ano. Além deste, outros produtos típicos da época são: pescados e ovos de galinha. Em relação ao primeiro, a entidade estima um aumento de vendas entre 2% e 4%.

Na contramão, de acordo com a 17ª Avaliação de Perdas do Varejo, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Executivos de Varejo e Mercado de Consumo (Ibevar) a Páscoa e as outras principais datas comemorativas (Dia das Mães, Dia dos Pais, Dia das Crianças e Natal) são as que mais movimentam as vendas, mas ao mesmo tempo, respondem por 26% das perdas do setor supermercadista em relação a furtos internos e externos nas lojas.

Segundo o gerente de prevenção de perdas da Princesa Supermercados, André William Lodrão, que tem produtos como bacalhau, vinho e azeite como os mais visados na data, a Páscoa deste ano será uma espécie de teste de prevenção de perdas. “Esperamos aumentar as vendas no período em 7%, enquanto as perdas devem ficar em 2%. Queremos reduzir as perdas para 1,98%, mas o objetivo é chegar a 1,80% em curto espaço de tempo. E para minimizá-las, principalmente com fraudes na frente de loja e checkouts, com segurança das senhas e cartões, descontos indevidos, cancelamentos e notas falsas, investir em monitoramento é essencial”, justificou Lodrão.

Com a instalação das soluções criaram um ambiente preventivo que permitiu à diretoria visualizar situações antes não observadas. “O índice de perdas do Princesa em 2016 foi de 2,24% e no ano passado ficou em 2,20%, abaixo dos índices nacionais apontados pelo Provar. A segurança absoluta é praticamente inatingível, ela é e será sempre uma meta desafiadora, mas podemos assegurar que o setor de prevenção de perdas vem gradativamente subindo o degrau da qualidade”, destacou.

O diretor de novos negócios da Tyco Retail Solutions e presidente da Comissão de Prevenção de Perdas da Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC), Carlos Eduardo Santos, conversou com a equipe de reportagem da SuperVarejo e destacou alguns pontos importantes que os supermercadistas podem atribuir às suas lojas. Confira:

Prática preventiva: Usar promotoras das empresas para oferecer serviços de atendimento.

Abordagem preventiva: Quando o cliente apresenta uma atitude suspeita, que pode ser identificada por qualquer colaborador e/ou pelo circuito fechado de TV, o colaborador deve estabelecer um diálogo oferecendo um serviço da loja, como sacola, cesto ou carrinho para carregar suas compras.

Deslocamento de colaboradores: Uma das práticas mais abordadas é colocar os ovos de chocolate em bolsas. Por isso, é fundamental ter maior número de colaboradores nos locais onde a concentração do produto é maior e deixar o ambiente mais monitorado.

Segurança eletrônica: Instalar CFTV na entrada das parreiras. O sistema, conhecido como quite de inibição conta com um monitor e uma câmera que auxiliam no monitoramento da loja.

Etiquetas de segurança: Usar etiquetas de segurança em chocolates mais visitados, que estão na moda, que geram mais atratividade. Atualmente muitas empresas estão usando até etiquetas eletrônicas, a fim de diminuir o número de furtos de ovos de páscoa.

Atenção aos checkouts: Na hora que tiver passando as compras, alguns consumidores tentam enganar o operador de caixa. Por isso, os supervisores devem ficar atentos às movimentações suspeitas.

Segurança extra: Aumentar o número de seguranças nesses locais, levando em consideração o histórico de furtos e de acordo com o risco de cada loja.


menu
menu