Brasil irá substituir EUA como 3º maior fornecedor mundial de soja

Brasil irá substituir EUA como 3º maior fornecedor mundial de soja

O Brasil irá ultrapassar os Estados Unidos como terceiro maior fornecedor de óleo de soja do mundo no período da safra de 2017 e 2018, de acordo com relatório divulgado nesta segunda-feira (16/07), pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO).

O estudo mostrou que, apesar da maior produção da commodity em território nacional, outros países da América do Sul irão sofrer uma desaceleração na safra de 2018/2019 por causa do clima desfavorável. O recuo de cerca de 9% no continente acontecerá, de forma mais expressiva, na Argentina, Paraguai e Uruguai, segundo a FAO.

“Na Argentina, terceiro maior produtor de soja do mundo, o rendimento médio caiu para o menor nível nos últimos seis anos e a produção total para o nível mais baixo dos últimos nove anos. No Brasil, por outro lado, os aumentos na área plantada e as condições quase ideais de crescimento elevaram a produção a níveis sem precedentes”, explicou o relatório.

Número um na produção de soja

Segundo informações do portal G1, em relação à produção da soja, os EUA deverão ter neste ano uma safra de soja menor que a do Brasil, marcando a primeira vez em que os brasileiros aparecerão no topo da produção global da oleaginosa, segundo as projeções oficiais.

A estimativa é que a produção norte-americana atinja 116,48 milhões de toneladas de soja neste ano (ano-safra 2018/19), segundo o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), que estima a produção do Brasil em 2018 – já colhida – em 117 milhões de toneladas.

Na safra que os EUA vão plantar e colher neste ano, o USDA estima que a área colhida de soja caia 1,45% na comparação anual e passe para 88,2 milhões de acres (35,7 milhões de hectares), enquanto no ciclo brasileiro a área atingiu cerca de 35 milhões de hectares, segundo o governo.

Fornecimento de carnes e farinha

Ainda de acordo com o G1, o relatório também prevê que o Brasil permanecerá como o principal fornecedor mundial de carne de aves e farinha do mundo.

A expectativa é de que o país venda 7% a mais de carne aos mercados internacionais do que no ano passado, firmando-se como maior exportador em porte mundial de carne bovina. “O Brasil pode ter uma contração de 34% na produção de carne suína em 2018, contudo, deve continuar sendo o maior exportador de carne de frango do mundo”, afirmou a FAO.

Já no caso da farinha, as perdas climáticas na Argentina devem favorecer o Brasil, acordou o estudo. As exportações devem crescer 17%, consolidando a posição do país como principal fornecedor mundial, à frente dos EUA.


menu
menu