Brasil exporta 3,4 milhões de sacas de café no mês de agosto

Brasil exporta 3,4 milhões de sacas de café no mês de agosto

O Brasil exportou cerca de 3,4 milhões de sacas de café, levando em consideração a soma de café verde, solúvel e torrado & moído, registrando assim crescimento de 30,4% quando comparado a agosto de 2017, quando o país exportou 20,6 milhões de sacas, de acordo com o Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé).

Desde o ano passado, o café arábica está na liderança do café exportado entre as variedades embarcadas em agosto, representando 74,5% do volume total de exportações – 2,5 milhões de sacas. Em seguida aparece o café robusta, representando 15,8% das exportações no mês (537 mil sacas), enquanto o solúvel registrou participação de 9,6%, ou seja, 328 mil sacas.

Já no acumulado do ano – de janeiro a agosto deste ano -, o Brasil atingiu um total de 20,5 milhões de sacas exportadas, crescimento de 4,5% em relação ao mesmo período de 2017. A receita cambial, neste caso, apresentou queda de 7,5%, atingindo US$ 3,1 bilhões.

Em agosto o café conilon (robusta) apresentou crescimento de 1.693% nas exportações ante agosto de 2017 enquanto no ano o crescimento foi de 736,5%, comparado com o mesmo período do ano passado. Os números reforçam a grande recuperação da variedade, que havia sido prejudicada pela forte estiagem ocorrida no Espírito Santo em 2015/16.

O café arábica também apresentou crescimento nas exportações, de 11,6% ante agosto de 2017, e queda de 2,5% no an; a exportação do solúvel cresceu 7,9% na variação de agosto 2018 com agosto de 2017 e 3,3% no ano.

De acordo com o presidente do Cecafé, Nelson Carvalhaes, os resultados das exportações do café nacional em agosto apresentaram crescimento significativo, indo ao encontro das expectativas da entidade, e registrando um dos maiores volumes mensais desde 2016.

“Com a boa safra e a colheita praticamente encerrada, os números confirmaram o ótimo desempenho do café arábica, bem como, a forte recuperação do café conilon. Os volumes do mês refletem ainda a excelente qualidade do produto brasileiro para atender ao exigente mercado internacional. Além disso, o setor prioriza ações sustentáveis em toda sua cadeia produtiva e reforça a posição de destaque do país”, declarou Carvalhes.

Países em destaque 

No ano, Estado Unidos, Alemanha e Itália se mantiveram, respectivamente, como os três primeiros principais destinos do café brasileiro. Os EUA importaram 3,6 milhões de sacas de café de janeiro a agosto deste ano (17,5% do volume total exportado no período); a Alemanha importou 3,1 milhões (15,3%); e a Itália, 1,9 milhão (9,3%).

Na sequência estão: Japão, com 6,9% (1,4 milhão de sacas); Bélgica, com 6,7% (1,4 milhão de sacas); Reino Unido, com 4,3% (886 mil sacas); Turquia, com 3,1% (628 mil sacas); Federação Russa, com 2,8% (573 mil sacas); Canadá, com 2,5% (505 mil sacas); e França, com 2,4% (482 mil sacas).

Entre os principais destinos, destacaram-se o crescimento de 119,2% do Reino Unido no ano civil de 2018 comparado com o de 2017, seguido pela Bélgica (21,8%), Itália (crescimento de 5,6%), Canadá (3,7%); Japão (0,6%) e França (0,3%).


menu
menu